sexta-feira, 20 de julho de 2012

Degradação



Cada país tem o governo que merece.
Joseph de Maistre (1811)

Na crónica da passada segunda-feira, no Público, o historiador Rui Tavares fazia uma leitura geral da perversão das elites políticas em várias fases da vida nacional. Começa com o monarquia liberal, no século XIX e inícios do XX, passa para a República de 1910 e conclui com a República pós-25 de Abril. Nos três regimes aconteceu um fenómeno semelhante. Na primeira fase, as elites políticas são compostas por pessoas bem preparadas, geralmente sérias e politicamente consistentes. Depois, com a evolução do regime, essa elite é substituída por gente cada vez mais desqualificada e inconsistente.

O episódio Relvas é apenas um sintoma do grau de degradação política a que se chegou. Se olharmos tanto para o governo como para a oposição, com muito poucas excepções, o panorama é aterrador. Como é que permitimos que José Sócrates ou Passos Coelhos, sem ter dado qualquer tipo de provas, tenham chegado à chefia do governo? Como pode alguém como António José Seguro ter a pretensão de vir a governar Portugal?

O problema que se coloca em Portugal desde o liberalismo é o da fragilidade das instituições e o da sua impotência perante gente ambiciosa e, intelectual e politicamente, desqualificada, perante os videirinhos que colonizam e vampirizam a vida da comunidade. Qual a razão desta fraqueza. A resposta só pode ser uma: a debilidade das instituições e a sua impotência perante quem as destrói deve-se à fragilidade do próprio soberano.

Em regimes de soberania popular – e é curioso que na ditadura do Estado Novo, onde a soberania popular foi suspensa, nunca se chegou a um tal grau de degradação das elites políticas – as instituições dependem directamente do juízo dos cidadãos. A degradação em que se vive foi uma opção nossa. Concebemos a política à luz das paixões futebolísticas. Durante décadas, o importante foi a vitória dos nossos. Fomos, enquanto povo, acríticos, complacentes e indiferentes ao bem comum. Isso permitiu que ora o PS ora o PSD e CDS governassem, sem grandes problemas de consciência ou escrúpulos. A clubite partidária suportava-os. Foi assim que Portugal chegou onde está.

Enquanto comunidade, temos de tomar a decisão se vamos continuar a avaliar a vida política à luz dos nossos fervores clubistas ou se, com a situação dramática em que vivemos, aprendemos alguma coisa, aprendemos a ser exigentes com aqueles que são eleitos, aprendemos a ser críticos, aprendemos a desconfiar de quem, com o nosso voto, colocamos no poder. Fora isso, a degradação não terá fim à vista. Cada país tem o governo que merece.