quarta-feira, 21 de maio de 2014

Tempos sombrios

Ángel Mateo Charris - O emigrante (1999)

Na Europa aproximam-se tempos sombrios. Nazis na Ucrânia com o apoio das potências ocidentais, perseguições a judeus, crescimento, em alguns países do antigo bloco de leste, das forças neo-nazis. Em França, Inglaterra e Holanda espera-se forte votação em partidos de extrema-direita. Haverá, noutros lugares, também fortes votações em partidos nacionalistas. Mesmo na Alemanha a perseguição ao emigrante desempregado parece estar por um fio (aqui). Podemos sempre pensar que a livre circulação de pessoas é uma utopia, e é essa utopia que está a ser desmantelada pela realidade. Talvez seja assim, mas isso apenas serve para mascarar a causa real que está a conduzir a Europa de volta aos seus tempos mais negros. A liberalização da economia mundial destruiu o modus vivendi dos europeus, destruiu grande parte da sua indústria e levou com ela os empregos, e trouxe a proletarização das classes médias. Foram as políticas ultra-liberais impulsionadas por Thatcher e Reagan, e depois seguidas pela direita e pela esquerda governamentais, que criaram as condições para que estes fenómenos se desenvolvessem. Se essas políticas não forem travadas, podemos esperar o pior. Quem estudou alguma coisa sobre a lógica sacrificial percebe, de imediato, que nestas circunstâncias os estrangeiros vão servir como bode expiatório. Os emigrantes precisam de se cuidar e de ter quem deles cuide. Mas a perseguição ao emigrante será apenas o início.