segunda-feira, 9 de outubro de 2017

Uma dança mortal

Dora Kallmus - Dancers (Wien, 1922)

Em Espanha assiste-se a uma dança perigosa. O nacionalismo catalão despertou o nacionalismo espanhol. Atrás de ambos vêm as feridas não saradas dos anos 30 do século passado e da guerra civil. Não bastava o aventureirismo de Puigdemont ou a pesporrência de Rajoy, agora veio um valete fazer declarações ainda mais incendiárias ao ameaçar o governante Catalão com um destino idêntico do de Lluís Companys. Este declarou a independência da Catalunha em 1934, tendo sido preso pela própria República espanhola. O problema é que Companys, mais tarde, fugiu, tendo sido capturado pelos nazis, entregue ao regime de Franco e fuzilado em 1940, após um julgamento sumário (ver aqui). Será que estão todos apostados em abrir a caixa de Pandora? Será que estão todos desejosos de chegar a esse momento em que são os acontecimentos que conduzem os homens e não estes aos acontecimentos? Quanto falta para que este pas de deux nacionalista se transforme numa dança da morte?