sexta-feira, 12 de outubro de 2012

Jogos florais do senhor Seguro


No momento em que Portugal é confrontado com um dos orçamentos de estado mais destruidores da economia, da vida das pessoas, do sentimento de equidade, A. J. Seguro decidiu entregar-se aos jogos florais. Para desviar a atenção, aproveitando a vaga de populismo e de ódio à classe política, propõe a redução dos deputados da nação. Medida que pouparia meia dúzia de euros, que alegraria as caixas de comentários dos jornais on-line e as conversas nos táxis das grandes cidades, mas que teria efeitos perversos para o país e a democracia.

O parlamento não é apenas o sítio onde se faz a lei. Com aquele discurso mole ou inflamado, com a retórica e a aparente agressividade, está no lugar da violência física. Se não houver parlamento onde as partes se confrontem através do discurso, incluindo a violência verbal, nós temos a violência das ruas, a violência da guerra civil, a violência dos ditadores e dos perseguidores políticos. O parlamento, sublinho de novo, está no lugar da violência política nas ruas.

Para que o parlamento cumpra essa sua função, contudo, é preciso que as facções principais da comunidade estejam representadas. O truque floral de A. J. Seguro tem apenas uma finalidade: acabar com a representação parlamentar do CDS-PP, do BE e do PCP. Pretende entregar quase todo o parlamento ao pessoal do PSD e do PS. Os partidos que levaram o país para a bancarrota terão agora uma espécie de seguro de vida para continuarem, sem o controlo parlamentar dos outros, as suas políticas que todos sabemos onde levaram.

Mas o principal problema nem sequer é esse. A medida fomentaria o aparecimento de extremos, à direita e à esquerda, que fariam ouvir a voz da rua, isto é, a violência, como aconteceu no final da Monarquia, na I República, nas guerras civis do século XIX. São Marias da Fonte, Patuleias e Formigas Brancas que o A. J. Seguro quer?

Há muito por onde cortar na classe política, que não nos eleitos. A lei deveria proibir que os eleitos levassem o pessoal do partido para as instituições. Os servidores públicos de carreira deverão ser independentes e servir o poder eleito, qualquer que seja, com lealdade e sob risco de expulsão do serviço público. Só na gente dos partidos que abarrota o poder central, regional e local, pouparíamos vários parlamentos. Depois seria a frugalidade nos carros, nas despesas, nos prerrogativas que os eleitos se julgam merecedores. Apenas a frugalidade nórdica. Isto seria interessante, mas Seguro confunde o serviço à nação com os jogos florais de uma associação recreativa. Para nossa desgraça, também ele terá um futuro à sua frente.

-----------------------
Em aditamento ao artigo pode-se ver com proveito o vídeo abaixo. A Suécia, um claro exemplo de frugalidade nórdica. Este vídeo deveria servir de reflexão ao destrambelhamento do PS - de Zorrinho a Assis - com a questão dos carros para o grupo parlamentar. Será que ainda não perceberam que as pessoas já não suportam mais os supostos direitos que os seus representantes se atribuem a si mesmos? É verdade que há muito ressentimento na vox populi, mas também é verdade que as elites políticas se acham acima do comum dos mortais e que, como tal, devem viver segundo as exigências de uma concepção do poder enquanto espectáculo. Esquecem-se que já ninguém quer ver a peça.