sexta-feira, 26 de abril de 2013

25 de Abril?


Quando se deu o 25 de Abril de 1974, o mundo, divido entre duas superpotências, estava em plena Guerra Fria, atravessava a crise petrolífera de 1973 e as consequências que dela nasciam. Se se pretender estabelecer uma linha de continuidade entre os tempos da transição à democracia em Portugal e os dias de hoje, então é preciso ter em conta as alterações radicais que o mundo sofreu, e as quais não eram sequer imagináveis na altura. Três factos alteraram para sempre a paisagem histórica onde a vida se desenvolvia. 

A Queda do Muro de Berlim e a derrocada do Bloco Socialista marcou o fim da Guerra Fria e o início de uma nova reconfiguração geopolítica. A globalização da economia mundial, centrada nos jogos do capital financeiro e na abertura dos paraísos de mão-de-obra quase escrava, introduziu uma nova relação entre capital e trabalho. A criação do Euro, em 2002, trouxe as consequências que estamos a descobrir, nomeadamente o diktat da Alemanha, agora reunificada, e a impotência dos países do Sul da Europa. 

Estes três factos vieram anular a capacidade que os pequenos países possuíam para organizar políticas próprias e fazer coincidir a vontade do eleitorado e a vontade dos governos eleitos. Lentamente, sem quase se dar por isso, tudo mudou. O que está em jogo numas eleições não é a vontade dos eleitores mas o cumprimento daquilo que a nova ordem internacional impõe. Sobre esta, a vontade dos governos nacionais ou as expectativas dos eleitorados não possuem qualquer efeito. Durante algum tempo, após o 25 de Abril, a democracia tinha como finalidade sufragar programas distintos e encontrar caminhos diversos para a comunidade nacional. Hoje em dia, contudo, já não vivemos no mesmo regime. Este é o dado essencial. Houve uma alteração de regime não por via de um golpe de estado nem por uma alteração radical da constituição, mas por imposição das circunstâncias internacionais. 

Já não vivemos na era democrática nascida com o 25 de Abril, mas na era pós-democrática que se foi impondo e para a qual não se encontrou solução. A pós-democracia em que vivemos significa o quê? Significa a existência de eleições e de liberdades públicas, mas apenas puramente formais, pois está eliminada, através da interdependência global, uma alternativa à situação. Qualquer escolha contra a ordem internacional fará pura e simplesmente cair sobre o país um duro castigo. Em 1974, foi deposta uma ditadura. Hoje em dia, nem uma ditadura há para depor, apenas um diktat que transformou a liberdade em destino incontrolável. Do ponto de vista da eficácia política, o 25 de Abril está morto, pois vivemos já noutro regime político.