segunda-feira, 3 de agosto de 2015

Só pode acabar mal

Jacob Lawrence - The Migration Series. Panel 10: They were very poor (1940-41)

Esta notícia (aqui), sobre a necessidade da Frontex (Agência Europeia de Fronteiras) recorrer a serviços privados para controlar a rota migratória entre a Líbia e Itália (até Junho, entraram por aí mais de 230 mil imigrantes ilegais), torna evidente a existência de três problemas. Em primeiro lugar, a questão da própria imigração ilegal, as suas causas nos locais de origem e as suas consequências nos locais de chegada. Em segundo lugar, a inexistência de uma política europeia comum para lidar e tentar resolver o problema. Por fim, a recusa dos Estados membros em se envolverem, de um ponto de vista público e institucional, no assunto, transferindo um problema político e de soberania para os serviços prestados por empresas privadas. Eis onde chegou uma Europa que, em nome do neo-liberalismo e do ordo-liberalismo, se transformou num ninho de víboras, do qual foi banido qualquer ideia de comunidade e abriu a porta a todas as inflamações nacionalistas. Só pode acabar mal, muito mal.