sábado, 30 de janeiro de 2021

Descrições fenomenológicas 63. O bosque dos sortilégios

Gustavo Torner, Galicia, 1957

De súbito, o silêncio tomou conta do bosque. O vento suspendeu a corrida infinita que o anima, os pássaros calaram-se escondidos nas ramagens das grandes árvores, os rumores dissolveram-se no húmus da terra negra. A paisagem era então uma enorme tela pintada de verde e silêncio, cortada pela antracite de rochas abauladas, que ao erguerem-se do chão, desenham esferas cobertas, aqui e ali, por um musgo ancestral. Entre o arvoredo há caminhos de terra batida, onde as folhas mortas jazem à espera que o vento as sopre e as arraste para as pequenas clareiras, onde ao adormecer trarão nova vida à terra. Ao longe, uma mulher caminha solitária. Desloca-se como se não quisesse quebrar o sortilégio e acordar a natureza sonâmbula que a envolve. Os pés poisam com cuidado, e quando ergue a máquina fotográfica e dispara, fá-lo como se fosse imponderável e das suas mãos nenhum ruído pudesse vir perturbar essa hora em que o mundo se recolhe dentro de si. No céu azul, algumas nuvens lembram antigas caravelas e navegam silentes, uma armada em busca das grandes aventuras que o prometido Oriente lhe trará. A mulher sobe uma escada de pedra. O corpo ergue-se de degrau em degrau. Por vezes, pára. Põem as mãos sobre os olhos e contempla o sossego que se expande até ao horizonte. Respira fundo, e recomeça a subida. Espera-a, ainda longe, um marco geodésico e dali há-de fazer as melhores fotografias, aquelas que esperam o seu talento para que venham à vida. O sol cobre-se nas nuvens que demandam as Índias e a mulher é tomada por uma pressa incompreensível. Um pé num degrau, logo outro no seguinte, como se uma força irresistível a impelisse ou um compromisso inadiável a esperasse. Sobe, rapidamente e do movimento do seu corpo solta-se uma pequena aragem. Uma sombra toca os ramos das árvores. O vento desaba da montanha, os cabelos da mulher eriçam-se, as saias enfunadas deixam ver as pernas, enquanto o canto dos pássaros cobre o verde do bosque com uma música de água e luz.
 

2 comentários: