domingo, 28 de abril de 2013

Meditações Taoistas (17)

Vincent Van Gogh - Lírios (1889)

Quem bem sabe fazer o militar não é marcial;
quem bem sabe guerrear não é colérico;
quem bem sabe vencer o inimigo não se faz presente;
quem bem sabe utilizar homens fica abaixo deles.
Lao Tse, Tao Te King, LXVIII

Não há sombra que ofusque a cintilação dos lírios do campo. Como a dos pássaros, a sua glória é maior que a de Salomão. Assim, gloriosos, permanecem naquele instante em que a vida os toca e abrem-se resplandecentes sob a luz solar ou as nuvens negras do horizonte. Não se sabem cintilantes mas cintilam, não se sabem irradiantes mas irradiam, não se sabem luminosos mas iluminam. Também aquele a quem a sabedoria tocou cintila, irradia e ilumina, mas das suas virtudes nada sabe, nem quer do mundo recompensa, reconhecimento ou um simples lugar que possa dizer seu.

Caminha livre pois abandonou a submissão ao desejo de parecer. Basta-lhe aquele saber que tomou conta do corpo e se inscreveu em cada uma das células. Ele já não é ele, mas a sabedoria. Quando era ainda demasiado imaturo, a ira depressa tomava conta de si. O sangue corria-lhe depressa pelas veias e todos podiam ver o espectáculo da sua cólera. Um dia descobriu que se riam. Não era temido nem amado. O exercício colérico era apenas o sinal terrível da sua fraqueza. O fraco que se imaginava forte, o mortal que se tingia de cores divinas, a criança que se fingia homem. Quando, um dia, se perdeu na floresta, descobriu a verdade que era a sua. Toda a sua força era ainda um sinal de impotência, de uma fraqueza desmedida, da fragilidade de todos aqueles que, na arena do mundo, recorrem ao espectáculo do poder para construírem de si uma figura, a imagem que os tranquilizará durante a noite.

Como os lírios no campo, também a floresta estava ali e não sabia. Limitava-se a ser toda naqueles instantes. Luminosa se havia luz, obscura se entardecia, negra se a noite vinha sem a lua. A princípio, perdido e sem saber o caminho de volta, sentiu o medo a arder no peito. Cada ruído sobressaltava-lhe o coração e punha-o alerta, como se um perigo sem nome o rodeasse e estivesse pronto a cair sobre ele. Dias e noites passaram, e ele aprendeu a viver com o medo. Dormia onde calhava e comia o que a natureza lhe oferecia. Mais tarde esqueceu-se do medo e sentiu a floresta como a sua casa. Ter uma casa ainda é lembrar-se de si. O seu tempo não chegara. Continuou preso à casa que o acolhera. Passaram meses e anos até que um dia descobriu que ele era a árvore que via ou o pássaro que escutava. Não, a floresta não era a sua casa, mas ele próprio era floresta. Nesse dia, encontrou o caminho e voltou para a sua terra. Olhavam-no como se o não vissem e falavam para ele como se fala para o mais querido dos amigos. Observou os campos e viu, pela primeira vez, os lírios a cintilar no horizonte. Ele era a cintilação, os lírios, os campos.