sábado, 31 de dezembro de 2011

Um péssimo ano propício


Como a minha vizinha da frente (espero que esteja melhor da dor de cabeça), também eu professo um pessimismo escurecido, com a diferença de ser uma fé com longos anos. Pessimismo e cepticismo que se iniciaram nos meus dias de faculdade, apesar de, nesses tempos, estar muito ligado ao idealismo alemão e ao optimismo subjacente a este, devido às excelentes aulas do Prof. Manuel do Carmo Ferreira (a quem devo muito do que sei de filosofia). Sempre descortinei, todavia, uma ameaça latente na racionalidade e no projecto da razão. Hoje que vivemos a ressaca do pós-iluminismo, parece impossível encontrar um princípio que oriente a Europa, que lhe dê sentido e lhe permita ter um papel no mundo, a partir da tradição iniciada pelo cruzamento de Atenas e de Jerusalém. Sim, a democracia a 27 é uma aposta que merece admiração, mas não basta. É preciso que as forças do cepticismo e do pessimismo, aquelas que animaram a emergência da filosofia e da tragédia gregas, façam o seu trabalho de limpeza da ganga que a História depositou na Europa. Talvez o verdadeiro sentido de ser europeu seja o de viver em plena krisis, a qual nasce desses mesmos pessimismo e cepticismo. Ora, nos últimos tempos, não há ano mais propício à crise, ao cepticismo e ao pessimismo que este que vai entrar. Talvez seja um ponto de partida para a Europa e para os europeus redescobrirem o seu lugar e o seu papel no mundo.