sábado, 21 de janeiro de 2012

Ressentimento


Portugal sempre foi um país de ressentimentos vários. Hoje, porém, um dos efeitos mais visíveis da crise e das medidas estruturais (e que estruturação…) deste governo, bem como do anterior, é o crescimento exponencial do ressentimento social. Basta ler os comentários nos jornais online às notícias sobre política (um exercício que faço com regularidade). Para ajudar ao ressentimento nacional, o dr. Cavaco não se eximiu de confessar a exiguidade das suas reformas, de mostrar o seu próprio ressentimento, digamos assim. No tempo do prof. Salazar éramos pobres e felizes nessa pobreza, o próprio ditador evidenciava a felicidade da sua contenção monástica. Hoje, depois do dr. Cavaco primeiro-ministro nos ter incentivado a ser ricos, tornámos a ser o que sempre formos: pobres. Agora, contudo, a exemplo do próprio dr. Cavaco presidente da República, somos infelizes. E a infelicidade é a porta por onde entra o ressentimento.