sexta-feira, 11 de maio de 2012

O moralista sem vergonha


Passos Coelho tem vocação de tele-evangelista. Mais do que governar os portugueses, ele quer convertê-los à sua fé e purificar a baixa moralidade do indígena. O entusiasmo é tanto, a iluminação divina é de tal ordem, que não tem um módico de vergonha. O desemprego é, no fanatismo que o transporta, uma oportunidade. Mesmo que isso seja verdade para alguns, raríssimas excepções, um primeiro-ministro responsável e razoável nunca se lembraria de abrir a boca para dizer tal coisa.