segunda-feira, 5 de agosto de 2013

Da lógica como dominação

Paul Ackerman - La partie d'échecs

Gustavo não aceitava nem tolerava respostas contraditórias de Maria Alfreda. O consabido direito de entrar em contradição era um luxo que concedia apenas a si próprio.  (Mário de Carvalho, A Sala Magenta, p. 43)

Ensina-se e pensa-se que a lógica é um saber neutro e instrumental, algo que serve para que os diversos saberes e discursos tenham coerência e validade. Raramente se pensa, porém, que em torno dela existe já uma luta pelo poder e pela dominação. Exigir ao outro que não se contradiga, que o seu discurso obedeça às regras de validade universal, é arrancá-lo da sua singularidade e da visão particular que lhe anima o espírito. E quantas vezes o espírito, na sua equivocidade, apenas capta a contradição que há em tudo, a volubilidade inconstante do seu querer, a impetuosidade do vento que sopra onde, de onde e para onde quer.