quarta-feira, 7 de maio de 2014

O espírito da adolescência

Jaime Burguillos - Ocaso (1976)

Um texto novo a intercalar nos textos dos cadernos do esquecimento provenientes do meu antigo blogue averomundo.

É bom quando nada acontece, dizia Bjartur. 
Alguns queixam-se  da monotonia,
são marcas da adolescência,
as pessoas sensatas abominam acontecimentos.
(Halldór Laxness, Gente Independente, p. 324)

Nunca como nos dias de hoje o espírito da adolescência foi tão vincado. O desejo de acontecimentos, a impaciência por não ocorrer nada, a frívola busca da acção, tudo isso revela a imaturidade que tomou conta do Ocidente, uma imaturidade cheia de terrores que impelem os indivíduos para o fazer acontecer, como se a vida não passasse de uma promoção contínua de eventos. O espírito de iniciativa, alçado com a modernidade ao primeiro plano, é a marca dessa adolescência tornada eterna. Não se compreende, porém, que fazer acontecer é aproximar do fim, fazer com que o ocaso, o pôr-do-sol, ocorra mais rapidamente e tudo mergulhe nas trevas da noite.