quarta-feira, 30 de maio de 2012

Casa abandonada

Carlo Carra - Casa Abbandonata (1930)

Sombra. Algo se move, traça um círculo e aproxima-se. Não o vejo, apenas a obscuridade e um cheiro a crisântemos. O coração treme. Que horas serão? Preso no círculo, ensaio um movimento, o corpo hirto, amarrado ao chão e o cheiro que se chega, rasteja, abre caminho. Um perfume de sombra sob a claridade do meio-dia. Tudo se concentra dentro de mim. A luz e a penumbra e aquele nada que se avizinha, contamina a atmosfera, desenha um espaço onde o meu coração se abandona vazio ao aroma rasgado pelo chicote da tua mão.