domingo, 6 de novembro de 2016

Livro do Êxodo - 32. De alma vendida

Georges Rouault - Os fugitivos ou o êxodo (1911)

Despojaram-se da alma, venderam-na num comércio de cerejas à beira da estrada, e agora cantam canções ázimas, a voz rouca, o peito encolhido, onde o coração bate, rio velho e tranquilo quando anoitece pela foz. Sentam-se sob o veludo solar e olham horizontes, enquanto as mãos dedilham as velhas contas, estranhas contas assim dedilhadas, e as bocas empalidecem fechadas, sem nada para dizer, sem que o relâmpago de um pensamento corte a placidez da consciência e, como uma roldana de aço, retire do fundo do poço uma palavra para dizer ou uma sílaba para soletrar, agora que o crepúsculo assobia sobre os montes com o cheiro da noite nos alforges puros do esquecimento.

Se nada lhes consola os olhos, nem a sombra nem a luz nem a treva, se nada os consola, resta pôr os pés ao caminho, pegar no mapa, traçar rotas de areia no granito dos montes, escutar o silvo do pássaro na água fria, e gritar no silêncio da garganta os nomes de Deus, se ainda não se esqueceram, e esperar a tarde em que Ele os escutará, o coração em sangue e a voz débil, tanta fora a súplica. Um líquen cor do cheiro da alfazema desponta na clareira do seu silêncio e alastra para dentro da vida, procura o alumínio e o cobre que havia pelas casas, sussurra nomes de fragâncias ultramarinas, abre uma fonte por onde goteja a saudade do coração.

Ao longe, dizem, o último lugar antes de tudo terminar, há fantasmas,  lembram esqueletos, marcham de pernas abertas, as mãos levantadas e entoam cânticos matinais, se os sinos ecoam. E assim o mundo se turva e em olham-te na face, vêem-te armaduras nos olhos, e nas mãos um alguidar, o sangue a correr, a voz irada, e no meio de tanta alegria, os corpos enlaçados, sexo no sexo, presos, tudo se aglutina, vem a noite, depois a madrugada, o dia claro, a tarde sórdida e no crepúsculo há facas pelo ar. A noite vem e torna a vir, divaga, entra pelos corações anónimos. 

Agora, calem-se. Que um furor divino se acenda e os devore.  Que ao longe se oiça o cântico do restolho queimado pela vida, a carne a apodrecer e o mênstruo há muito retirado do segredo das mulheres a escorrer pelos escombros encobertos pelas colinas. Alucinados, suspendem a voz. A noite semeia escamas de aço e desenha uma estrada de neblina na cama onde desfalecem. Compraram as últimas cerejas, apenas caroços, pedúnculos, a pele tinta a manchar a boca. Da alma, a que venderam, ninguém sabia e não há fermento que alumie o destino translúcido de uma canção.