segunda-feira, 18 de março de 2013

Brincar com o fogo

Paul Klee - Fire ande Death (1940)

A agência de rating Standard & Poor's alerta para o risco de implosão social na zona Euro devido ao elevado desemprego. Também há dias, depois de ter dito que os demónios da guerra na Europa continuam a existir, o primeiro-ministro luxemburguês e antigo chefe do Eurogrupo, Jean-Claude Juncker, alerta para o risco de revolta social na Europa. Em tudo isto há um mistério indecifrável.

Não têm sido as avaliações (e os fundamentos económicos que legitimam essas avaliações) das agências de rating, juntamente com as políticas europeias, mais a retórica anti-keynesiana (de que o nosso ministro das finanças tanto parece orgulhar-se) que nos conduziram ao lugar onde estamos? Muita gente andou a brincar com o fogo e agora admira-se que haja incêndio. 

Os europeus deveriam perguntar-se - e perguntar com ar severo e irritado às suas classes dirigentes - como foi possível passar de uma Europa ainda há pouco tempo orgulhosa da sua paz social e da bonomia dos seus costumes para uma Europa à beira do colapso e da morte.