sábado, 9 de março de 2013

Poema 54 - Um dia de solidão transfigurada

Pierre Bonnard - La Palma (1926)

54. Um dia de solidão transfigurada

Um dia de solidão transfigurada

pelo fogo que arde nas tuas mãos.

Um anjo febril, pálido p’las ruas,

a amargura da tarde incendiada

pelas velas exaustas da saudade.

Oiço o mundo bater à minha porta,

mas deixo-me dormir. Sou a fria onda

perdida pela praia de cinza e sombra.

Tivesse a perfeição de tudo dar,

abriria para ti rosas e nuvens,

e todos os outonos seriam teus

no silêncio do amor despedaçado.