sábado, 16 de julho de 2016

Nice e Turquia


O atentado de Nice e a tentativa frustrada de um golpe militar na Turquia são duas faces de um mesmo problema. Esse problema é o da relação do mundo islâmico com a Modernidade e o Iluminismo. O pesadelo de Nice inscreve-se na já vasta lista de atentados com que o islamismo radical tenta assustar, em todo o mundo e não apenas no Ocidente, as populações, como forma de impor, pelo medo, a sua visão do mundo. Quanto à tentativa de golpe na Turquia, ainda é bastante obscura a sua origem. Duas teses parecem em confronto. Por um lado, uma operação militar ligada aos valores da Turquia moderna trazidos por Mustafa Kemal Atatürk, marcados pela a abertura ao Iluminismo e ao carácter secular do Estado. A segunda tese, proveniente do núcleo central do poder turco, acusa o imã Fethullah Gülen e o seu movimento Hizmet, um movimento conservador e antigo aliado de Erdogan, de estarem na origem do golpe. Seja qual for a realidade, o problema gira sempre em torno da relação entre a Turquia e os valores provenientes da modernidade e do Iluminismo.

A Modernidade e o Iluminismo – com a sua visão laica do Estado, o respeito pelas liberdades individuais, a igualdade entre homens e mulheres – são criações ocidentais. São elas que, de uma forma ou outra, têm moldado o mundo, tendo sido adoptadas – em maior ou menor extensão – pela generalidade dos países, os quais têm vindo a substituir as formas de poder tradicionais por formas de poder modernas. O lugar de grande resistência aos valores modernos e iluministas está nas sociedades islâmicas. A excepção foi precisamente a República da Turquia de Atatürk, mas que, paulatinamente, tem vindo a afastar-se desses valores. Todo este terrível espectáculo de dor e sofrimento que o terrorismo islâmico espalha pelo mundo e a convulsão militar na Turquia estão ligados à recusa destes valores. E no centro desta recusa encontra-se o problema religioso. Com a Modernidade e o Iluminismo, a religião torna-se um problema de consciência dos indivíduos (Locke na sua Carta sobre a Tolerância, ainda no século XVII, explica-o de forma muito clara). A distinção entre governo civil e religião torna-se central. É isto que, com as suas consequências sociais e éticas, é recusado por grande parte do mundo muçulmano. Podemos encontrar as explicações que os nossos preconceitos quiserem, mas a questão central encontra-se aqui e, diga-se, não é de fácil resolução. Veja-se o exemplo das chamadas Primaveras Árabes. Há problemas que podem não ter solução. Este pode ser um deles.