domingo, 15 de janeiro de 2012

A pluralização das narrativas políticas


O debate teórico e a discussão pública sobre questões políticas estão há muito cativos da oposição entre liberalismo e socialismo. As categorias e as práticas defendidas por ambos os campos afrontam-se e enfrentam-se pelo menos desde o século XIX. De certa maneira, a reacção socialista ao liberalismo tomou o lugar da reacção aristocrática, e solidificou uma interpretação do mundo que parece ser a única possível, transformando esse conflito no motor da vida pública. Mesmo a emergência dos chamados partidos Verdes, com as suas políticas em torno da ecologia, e o aparecimento de causas, mais ou menos transversais ao espectro político, referentes a direitos específicos acabaram por ser absorvidos pela guerra civil dos herdeiros do Iluminismo, pela clivagem entre liberais e socialistas.  

O problema que vale a pena pensar, do ponto de vista da teoria política, é se essa clivagem ainda permite perceber e pensar a realidade que vivemos. Percebe-se que os liberais, nas suas diversas modalidades, desejem continuar o debate com o socialismo. É a forma que eles têm para solidificar e eternizar a sua vitória, é a estratégia seguida para ocultar as brechas que se abrem no seu próprio campo. Mas a entrada em jogo de novas realidades implica um reformular das velhas dicotomias. Alguns exemplos. Na China, é um regime antiliberal que permite o aparecimento de um capitalismo ultraliberal na própria China e, concomitantemente, o reforço das posições liberais no Ocidente. No mundo árabe, tudo indica que a liberalização política criará espaço para modos de vida iliberais. Por fim, no Brasil é uma governação ideologicamente antiliberal, de carácter socialista, que consegue de forma mais consequente o desenvolvimento capitalista do país, ao ponto de torná-lo numa das grandes potências emergentes na cena política mundial. Os exemplos poderiam multiplicar-se.

Esta contaminação de categorias teóricas e de práticas políticas mostra que algo na velha narrativa do conflito liberal-socialista está já ultrapassado. Isto significa que os próprios problemas como o da injustiça social, da pobreza, do desenvolvimento e repartição de bens precisam de um novo mapa categorial e da construção de novas narrativas sobre a questão política. Há um coisa que, no entanto, é central. Se o Iluminismo e o projecto da modernidade cindiram o velho edifício unificado dos regimes monárquico-aristocráticos em dois campos (primeiro a oposição entre conservadorismo e liberalismo; depois, a oposição liberalismo e socialismo), a nova situação será ainda mais fragmentária, gerando múltiplas narrativas que se confrontam com as suas categorias teóricas e os seus interesses práticos. O conflito entre liberalismo e socialismo é um assunto da história da Europa. Mas esse mundo acabou. Há que perceber aquilo que os outros dizem e como justificam as suas pretensões. Há que dar atenção às suas narrativas, aos seus conceitos, aos seus interesses e aos seus poderes. Eles já existem e estão a moldar o mundo. Nós é que ainda não percebemos.