domingo, 10 de junho de 2012

Fidelidade

José de Togores - Busto de mujer (1923)

Inútil. Aquele que ainda há pouco fremia dorme agora. Tanta exaltação e depois a melancolia, a sombra que tolhe a vontade, o desejo tornado recordação até que volte, com o seu império precário, oferecer a luz negra de um em outro corpo. Olho-me ali, vejo-me entregue, o meu desejo no desejo que arde sobre mim. Estanco o riso, arfo, deixo que o som me saia da boca, corro as persianas do pensamento e aprendo o significado da fidelidade. Não pensar, não olhar, permitir que as minhas sensações imitem o calor, a luz, a exalação de um último suspiro nuns braços prestes a morrer.