sexta-feira, 1 de agosto de 2014

Uma dura lição


Voltemos à questão dos bancos e à experiência pela qual toda a sociedade portuguesa está a passar. Durante anos, os portugueses foram bombardeados por propaganda a favor da gestão privada. Tudo o que fosse gestão pública era vilipendiado. Não se dizia, porém, que muitos dos gestores públicos eram ideologicamente contra as empresas públicas, e que o seu papel não era tanto o de gerir o bem comum mas o de criar condições para que os bens públicos fossem alienados e colocados nas mãos da iniciativa privada, tida como virtuosa. Foi uma campanha persistente, incansável, uma campanha, na verdade, triunfante. Grande parte dos bens e serviços públicos foram alienados para a iniciativa privada.

Os cidadãos – agora meros consumidores – começaram, desde muito cedo, a desconfiar das virtudes da gestão privada. A dita eficácia dos gestores privados cifrava-se – e cifra-se – em dois tópicos: despedimentos e encarecimento de produtos e serviços. A crise do Grupo Espírito Santo, adicionada às crises de outros bancos, representa, todavia, uma anomalia tal que o discurso prevalecente começa a parecer ridículo. A família Espírito Santo, na sua vertente empresarial, era apontada como o modelo da virtude da iniciativa privada. Em torno dela, entoavam-se loas e hossanas à superioridade dos empreendimentos privados sobre os públicos. Os resultados, por muito que se tente fazer chicane,  falam por si e mostram que a gestão privada é tão ou mais problemática que a gestão pública.

Não se pretende argumentar contra a iniciativa e a gestão privadas. Pretende-se desmontar a propaganda mentirosa e irresponsável que conduziu a que o país alienasse para os privados um conjunto de bens públicos, que seria de todo interesse que fossem controlados pelo Estado português. Pretende-se chamar a atenção para o facto de as empresas privadas não serem mais virtuosas do que as públicas, ou que estas, necessariamente, serem mais incapazes e corruptas do que as privadas. Uma comunidade política, organizada em Estado, precisa tanto de empresas privadas como de empresas públicas. Precisa, fundamentalmente, de não destruir os sectores estratégicos da sua economia. Ora a crise dos grupos bancários veio dar uma lição clara aos propagandistas para-liberais da virtuosidade única da iniciativa privada. Veio lembrar aos portugueses que alienar certos sectores públicos pode representar colocá-los na mão de gente irresponsável e que apenas persegue o seu interesse. A lição é dura e clara. Será que os portugueses a aprendem?